Caxumba, entenda melhor sobre a doença

17.05.2016

O aumento nos casos de Caxumba no Brasil vem colocando autoridades em alerta sobre as ocorrências da doença em vários estados.

A doença viral aguda, caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares, geralmente a parótida e, às vezes, glândulas sublinguais ou submandibulares, também é conhecida como papeira ou parotidite.

 

 

É transmitida por contato direto com secreções (de saliva ou vias aéreas) de pessoas infectadas. Surtos da doença costumam acontecer durante o inverno e no começo da primavera, atingindo na maior parte das vezes as crianças.

O período de incubação varia entre duas e três semanas e embora seja uma doença de evolução benigna, pode ocorrer em alguns casos complicações como: inflamação dos testículos e dos ovários (que pode resultar em esterilidade), meningite asséptica, pancreatite, neurite e surdez.

 

Sintomas

Os primeiros sintomas são inchaço e dor na parótida e nas outras glândulas salivares infectadas (localizadas embaixo da mandíbula), dores ao mastigar e/ou engolir, febre, dores de cabeça, mal-estar, calafrios, além de fraqueza. Geralmente são menos intensos nas crianças do que nos adultos.

Nos casos graves, a caxumba pode causar surdez, meningite e após a puberdade, pode causar inflamação e inchaço doloroso dos testículos (orquite) nos homens ou dos ovários (ooforite) nas mulheres e como citado acima, levar à esterilidade. Por isso, é necessário redobrar a atenção nestes casos e buscar acompanhamento médico.

 

Prevenção

A única maneira de prevenir a doença é com a vacinação, que faz parte do Calendário Básico de Vacinação. A vacina pode ser aplicada isoladamente, mas geralmente está associada às vacinas contra sarampo e rubéola, que juntas compõem a vacina Tríplice Viral. A primeira dose deve ser administrada entre 12 e 15 meses e a segunda, entre 4 e 6 anos.

Em caso de infecção, a pessoa não deve comparecer à escola ou ao trabalho durante nove dias após início da doença. É necessário desinfetar os objetos contaminados com secreções do nariz, da boca e da garganta do enfermo.

A vacinação de bloqueio é recomendada para quem manteve contato direto com pessoas doentes.

Gestantes, imunodeprimidos (pessoa cujo sistema imunológico está enfraquecido), adultos que não foram infectados nem tomaram a vacina na infância e adolescência também devem ser imunizados.

 

Clique aqui para visualizar o calendário nacional de vacinação.

 

Diagnóstico

A pesquisa de anticorpos IgG e IgM para Caxumba possibilita a verificação da resposta produzida pelo organismo quando ocorre a infecção natural ou quando a pessoa foi vacinada. Este teste sorológico serve para indicar se a pessoa está com a doença ativa ou imune e está disponível em todas as unidades Richet.

Para informações sobre o exame, ligue: (21) 3184-3000.