Febre Amarela: O Que Você Precisa Saber Sobre Ela

24.01.2018

*Atualizado em Janeiro/2018

Caracterizada como uma doença infecciosa aguda, a febre amarela é transmitida aos seres humanos através de mosquitos, não havendo transmissão direta de pessoa para pessoa.

Após a picada, o vírus permanece na corrente sanguínea durante 7 dias e, caso a pessoa durante esse período, seja picada por outros mosquitos, estes também serão contaminados.

A infecção possui dois ciclos de transmissão, categorizados como: febre amarela urbana, quando é transmitida pelo Aedes aegypti e tem como principal hospedeiro os humanos; ou febre amarela silvestre, quando é transmitida pelo Haemagogus e Sabethe.

A febre amarela silvestre ocorre nas áreas de mata, onde macacos são os principais hospedeiros do vírus, e os mosquitos, de hábitos unicamente silvestres, são os transmissores do vírus.

A infecção urbana, transmitida pelo Aedes aegypti, é considerada a mais grave por atingir a cidade (lugares com maior concentração de pessoas), e por ser mais um vírus transmitido pelo já temido Aedes aegypti. Desde 1942, não há casos registrados fora das zonas silvestres e/ou de mata no Brasil.

Os Sintomas

Em sua fase inicial, a febre amarela se comporta como uma virose como outra qualquer, apresentando sintomas como dores de cabeça, febre, falta de apetite, náuseas, vômito e dores musculares, principalmente nas costas. Esses sintomas podem aparecer entre 3 e 15 dias depois do contágio.

Caso haja uma sensação de melhora por parte do indivíduo, é importante ficar em observação, pois a doença pode evoluir para a sua forma mais grave: a fase tóxica.

Na fase tóxica, a menos comum, o indivíduo apresenta febres altas, pele e olhos amarelos (Icterícia), diminuição do volume de urina, sangramento na boca, nariz, olhos e estômago, assim como vômitos.

A Vacinação

A vacina contra a doença é segura, e a melhor medida de prevenção e controle da Febre Amarela. Constituída pelo vírus vivo da doença, ela induzirá a formação de defesa no corpo dos indivíduos.

Indicação

A vacinação é indicada para indivíduos de 9 meses a 60 anos de idade que moram ou que vão viajar para regiões de risco, e é aplicada em Postos de Saúde e Clínicas da Família, em todos os municípios do País.

Em casos especiais, indivíduos com idade a partir dos 6 meses de idade podem ser vacinados, desde que ocorra orientação do Ministério da Saúde.

Contraindicação

Por causar reações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para idosos, gestantes, lactantes que amamentem crianças de até 6 meses (é importante avaliar risco x benefício com o médico assistente), crianças menores de 6 meses de idade, indivíduos com histórico de reação alérgica grave relacionada à substâncias presentes na vacina - gelatina bovina, ovo de galinha, pacientes com HIV com CD4 < 200 células /mm3, pacientes em uso de drogas imunossupressoras (corticoides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores), transplantados, indivíduos com imunodeficiência primária (doença congênita) e com histórico de doença do timo também devem se assegurar com consulta médica prévia.

Recomendações

 Não aplicar outras vacinas no mesmo dia, principalmente a tríplice viral (caxumba, rubéola, sarampo) e a tetravalente (caxumba, rubéola, sarampo e varicela);

 Em caso de planejamento de gravidez, ela deverá ocorrer após 30 dias da vacinação;

 Se necessário, aplicar essas vacinas após 30 dias da vacinação contra a febre amarela;

 Caso sejam vacinadas, mulheres amamentando crianças de até 6 meses devem suspender a amamentação por 30 dias.

Prevenção

Além da vacinação, alguns cuidados também devem ser tomados na prevenção da febre amarela:

 Eliminação dos focos do mosquito transmissor - Aedes aegypti;

 Usar camisas de mangas compridas e calças compridas, para proteção contra picadas de mosquitos;

 Utilizar repelentes com registro na ANVISA, que recomenda o uso em crianças somente a partir de 6 meses de idade;

 Não usar perfumes em áreas de mata;

 Não usar produtos que contenham, na mesma fórmula, repelente e protetor solar;

 Notificar qualquer caso suspeito à Vigilância Sanitária local;

É importante sinalizar que os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela. A doença é unicamente transmitida através da picada de mosquitos. (fonte: SES - Secretaria de Estado de Saúde - SES)

Viajantes

Segundo a Anvisa, aqueles que irão viajar para países que exijam o certificado internacional de vacinação contra a febre amarela, emitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), devem tomar a vacina padrão, mesmo que tenha tomado a dose fracionada.

Link para pesquisa por países: https://viajante.anvisa.gov.br/viajante/

Para receber a dose padrão da vacina, é necessário apresentar um comprovante da viagem, por exemplo, o bilhete da passagem.

 

 

O Richet Medicina & Diagnóstico disponibiliza os exames para detecção da Febre Amarela em todas as suas unidades. Converse com seu médico em caso de qualquer suspeita. Para outras informações, ligue: (21) 3184-3000.

Links para Exames:

Pesquisa RNA PCR para Febre Amarela

Pesquisa de Anticorpos IgG para Febre Amarela

Pesquisa de Anticorpos IgM para Febre Amarela

Indicações:

É imprescindível pedido médico.

Não há preparos para estes exames.

Dicas Ministério da Saúde (Cartilha Nacional):

- Campanha Vacinação Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia (http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42289-campanha-de-vacinacao-tera-dose-fracionada-de-febre-amarela-em-tres-estados)

- Saúde A a Z Ministério da Saúde (http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela