Medicina do Viajante: a melhor alternativa para quem deseja uma viagem mais segura e com menos preocupações

07.12.2017

Programando as férias de final ou início do ano? Não se esqueça de incluir os cuidados que devem ser tomados com a sua saúde e a de sua família antes de viajar.

Em uma viagem, temos contato com novos ambientes, ficando expostos a novos agentes transmissores de doenças e submetidos a condições diferentes e mudanças bruscas de clima, de altitude e de fuso horário, que associadas ao stress, à idade, à fadiga, às condições de locomoção e à presença de problemas de saúde preexistentes, podem representar um risco para a saúde do viajante.

Estes riscos podem ser minimizados com a Medicina do Viajante, uma especialidade médica onde o médico responsável tem conhecimentos específicos em clínica médica, doenças infecciosas, vacinação, saúde pública e epidemiologia, levando em consideração o quadro clínico do paciente e também a situação do país que o viajante irá visitar.

A especialidade geralmente é procurada por viajantes que pretendem fazer viagens de longo prazo ou para áreas exóticas e/ou que precisam de uma atenção maior, como África e Ásia. Entretanto, esse atendimento médico pode (e deve) ser procurado independente da duração da viagem ou do destino escolhido.

É importante pesquisar e se preparar para o(s) destino(s) que pretende conhecer, além de aprender como se prevenir de diferentes doenças. O especialista da Medicina do Viajante poderá prescrever vacinas necessárias ou recomendadas para determinado destino, alertar sobre cuidados específicos com higiene, água e alimentação, indicar o uso de remédios para determinadas doenças, entre outros.

A visita ao médico deve ser feita com a maior antecedência possível, portanto programe-se para ir o quanto antes. Pode ser necessária a prescrição de uma vacina que deverá ser tomada com até seis meses de antecedência da sua viagem e alguns remédios precisam ser testados e ter acompanhamento médico, como os prescritos para malária, por exemplo. Porém, se ficar muito em cima da hora vale a pena fazer a consulta mesmo assim. O importante é ter um acompanhamento médico e se informar sobre as precauções que devem ser adotadas antes, durante, e até mesmo após a viagem.

A Medicina do Viajante também é indicada para grávidas, idosos e pessoas com doenças crônicas como asma, diabetes, doenças cardíacas, doenças de pele, doenças digestivas.

 

 

Recomendações gerais para uma viagem mais segura

Evite viajar na vigência de qualquer doença infecciosa aguda.

Se precisar fazer uso de medicamentos sob prescrição médica, solicite ao seu médico a receita e adquira os medicamentos na quantidade suficiente para toda a viagem, pois em alguns países nem sempre é possível adquirir medicamentos sem prescrição médica local ou ingressar com medicamentos na bagagem sem as respectivas receitas médicas.

Alguns países mantêm acordos internacionais que permitem o atendimento de cidadãos brasileiros pelas redes públicas de saúde. Neste link, é possível verificar todas as informações sobre o Certificado de Direito a Assistência Médica: http://sna.saude.gov.br/cdam/.

É importante a atualização das vacinas de acordo com o calendário vacinal do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

Para o ingresso em seu território, alguns países exigem dos viajantes o “Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia” (CIVP), como medida de controle da febre amarela. O documento comprova a vacinação contra doenças, conforme definido no Regulamento Sanitário Internacional. A lista com os países que exigem o certificado está disponível no site da Organização Mundial de Saúde (http://www.who.int/ith/en/). A vacina contra febre amarela está disponível nos postos de vacinação e deve ser administrada pelo menos dez dias antes da viagem. Deve ser aplicada e registrada no Cartão Nacional de Vacinação, com o número do lote da vacina e o local em que foi realizada. Para saber mais informações e como solicitar a emissão do CIVP, acesse http://portal.anvisa.gov.br/certificado-internacional-de-vacinacao-ou-profilaxia.

Outras vacinas também poderão ser recomendadas como medida preventiva ao viajante com destino às áreas de risco. Informe-se nos Centros de Orientação ao Viajante se existe essa indicação para o destino da sua viagem.

É importante lembrar que as vacinas geralmente têm um período, que pode variar entre dez dias e seis semanas, até atingir a proteção prevista. Por isso, vacine-se com antecedência para que obtenha o efeito protetor adequado para sua viagem.

Em caso de adoecimento durante a viagem, não faça automedicação. Busque atendimento médico ou entre em contato com seu médico para orientação.

Ao retornar da viagem, caso tenha febre ou manifeste outros sintomas como diarreia, problemas de pele ou respiratórios, procure imediatamente seu médico especialista em Medicina do Viajante ou um serviço de saúde e informe as regiões que visitou.

Os exames realizados antes de uma viagem incluem o check-up, para identificar doenças crônicas, prescrição de tratamento e até mesmo atualização da caderneta de vacinas. Em alguns casos, também são solicitados exames de diagnóstico por imagem. Além disso, exames laboratoriais são feitos para identificar os mais frequentes fatores de risco.

O Richet realiza diversos exames laboratoriais e de imagem, assim como testes diagnósticos diferenciados em todas as suas unidades. Para informações, ligue: (21) 3184-3000.