Pré-eclâmpsia: acompanhamento adequado reduz os riscos na gravidez

22.05.2018

Para o organismo da mulher gestante, o bebê em desenvolvimento é um corpo estranho, geneticamente diferente, crescendo dentro do útero. É por isso que, durante a gravidez, o corpo da mãe cria mecanismos imunológicos de proteção para impedir que o feto seja rejeitado.

Contudo, em alguns casos, o organismo libera proteínas na circulação materna, provocando uma reação imunológica diferente na gestante, que agride as paredes dos vasos sanguíneos, causando vasoconstrição e aumento da pressão arterial. Esta hipertensão específica ocorre unicamente na gravidez e recebe o nome de pré-eclâmpsia, uma síndrome que geralmente surge a partir da vigésima semana de gestação e pode evoluir então para a eclâmpsia, uma condição clínica mais grave da doença que põe em risco a vida da mãe e do feto.

Ainda não existem causas estabelecidas para a enfermidade; o que se sabe é que ela pode estar associada à má colocação da placenta.  E apesar de ser uma das principais emergências obstétricas que existem, a eclâmpsia pode ser controlada com acompanhamento médico e um pré-natal criterioso, além de exames periódicos para identificar aumentos de pressão ou proteinúria (perda de proteína na urina).

Sintomas

O diagnóstico da pré-eclâmpsia é muito difícil, uma vez que seus sintomas físicos não são característicos, podendo ser confundidos com sintomas de outras doenças. Mas a enfermidade se caracteriza principalmente pela subida da pressão sanguínea, dores de cabeça persistentes, proteinúria (perda de proteína pela urina), aumento excessivo de peso e edemas (inchaço) das pernas e dos pés.

Já na fase da eclâmpsia, os sintomas são mais agressivos: convulsão, geralmente precedida por dores de cabeça e de estômago, e perturbações visuais, além de sangramento vaginal e até coma.

Diagnóstico e fatores de risco

Apesar da dificuldade de identificação, é possível estabelecer um diagnóstico com base nos níveis elevados da pressão arterial, no histórico clínico e principalmente através de exames laboratoriais de sangue e de urina. O Richet Medicina & Diagnóstico oferece o exame mais indicado para identificação da eclâmpsia, o de elementos e sedimentos anormais na urina (EAS 1º Jato, veja aqui: http://www.richet.com.br/exame/eas-1-jato/).

 

São fatores de risco:

Primeira gestação;

Hipertensão arterial sistêmica crônica;

Diabetes;

Doenças autoimunes como lúpus, doença celíaca e esclerose múltipla;

Obesidade materna;

Histórico familiar ou pessoal das doenças supracitadas;

Gravidez antes dos 18 anos e após os 35 anos;

Gestação gemelar ou trigemelar, ou seja, gravidez de gêmeos ou trigêmeos;

Deficiência de proteínas C ou S.

 

Possíveis complicações para a mãe:

Convulsões (na fase da eclampsia);

Deslocamento da placenta;

Insuficiência renal;

Edema pulmonar;

Síndrome da insuficiência respiratória aguda;

Deslocamento da retina;

Enfarte do miocárdio;

Pancreatite;

Acidente vascular cerebral;

Morte.

 

Possíveis complicações para o bebê:

Restrição do crescimento fetal;

Morbilidade neurológica a longo prazo;

Hipoxia (baixo teor de oxigênio);

Acidose (diminuição do pH sanguíneo);

Oligoâmnio (redução anormal do líquido amniótico);

Morte fetal.

 

Prevenção e tratamento

A única maneira de controlar a pré-eclâmpsia e evitar que ela evolua para eclâmpsia é um pré-natal criterioso e sistemático da gestação. Além disso, com um acompanhamento médico adequado e exames periódicos, é possível identificar problemas com a pressão arterial da gestante. A pressão sanguínea é medida em todas as consultas de vigilância da gravidez, o que ajuda a diagnosticar qualquer oscilação anormal e a intervir de maneira adequada. Isto também ajuda a saber qual a tensão arterial média da mãe.

Medicamentos anti-hipertensivos (ou hipotensores específicos) e anticonvulsivantes também são indicados para o controle dos quadros mais graves, que podem exigir até a antecipação do parto. É importante ressaltar que a doença regride espontaneamente com a retirada da placenta.

Recomendações

Vá ao ginecologista antes de engravidar para avaliação clínica e início da administração de ácido fólico;

Compareça a todas as consultas previstas no pré-natal e siga rigorosamente as recomendações médicas durante a gestação. Lembre-se que qualquer descuido pode fazer com que uma forma leve de pré-eclâmpsia evolua com complicações mais graves;

Faça exercícios físicos compatíveis com a fase da gestação e suas condições orgânicas no momento;

Reduza a quantidade de sal nas refeições, não fume e suspenda a ingestão de álcool durante o período de gestação.

 

O Richet disponibiliza os exames abaixo para diagnóstico da pré-eclâmpsia:

 

Base científica do Teste Pré-Eclâmpsia

O Teste Pré-Eclâmpsia permite a detecção do nível de PlGF no sangue materno e seu processamento em conjunto com outros parâmetros relevantes (PAPP-A, hCG, etc.), através da análise em um software específico, com a obtenção de um resultado de alto ou baixo risco para a suscetibilidade de sofrer pré-eclâmpsia.

O teste deve ser realizado entre a 11ª semana e 13ª + 6 dias de gestação, o que permite obter resultados antes da 16ª semana, momento limite para o começo da administração de aspirina em casos que o médico assistente considera apropriado.

Para informações e agendamento de exames, entre em contato através de nossos canais de comunicação direta:

- Central de Relacionamento: (21) 3184-3000

- Contato Site: http://www.richet.com.br/contato-cliente/

- Chat Online: http://bit.ly/Chat_Online_Richet