Você já ouviu falar no Zika vírus?

17.05.2015

Foto: Mosquito Aedes por  James Gathany, CDC 2006

Trata-se de um vírus transmitido por mosquitos que, uma vez infectando seres humanos, causa sintomas leves. Antes de 2007, apenas raros casos de infecção haviam sido descritos na literatura médica.

O vírus Zika foi descoberto em 1947 quando um macaco Rhesus que vivia em uma floresta de Uganda, na Africa, desenvolveu uma doença febril de origem desconhecida. Os cientistas conseguiram isolar o agente transmissor do macaco que estava doente, nomeando-o de Zika vírus - ou ZIKV. Um ano depois, o mesmo vírus foi encontrado no mosquito Aedes africanus, capturado na floresta Zika - fazendo com que desta vez o vetor fosse finalmente identificado.

Naquele momento os pesquisadores não encontraram evidência de infecção humana pelo vírus Zika, o que só foi evidenciado 20 anos depois em alguns pacientes nigerianos, aonde o vírus já se encontrava endêmico.

Na última década, o vírus se espalhou, causando surtos em outras regiões remotas até que em 2007, um surto foi reportado na Micronesia, com doença leve tendo sido descrita em 108 casos confirmados. Os pesquisadores demonstraram preocupação sobre a potencial difusão do vírus Zika em outras ilhas da Oceania e, possivelmente, nas Américas. Foi exatamente o que aconteceu.

Recentemente, o Ministério da Saúde confirmou casos de Zika vírus no Brasil transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo mosquito transmissor da dengue. Os casos foram confirmados em cidades do Rio Grande do Norte e atribuídos a terem chegado ao Brasil com turistas durante a Copa do Mundo de 2014.

Em geral os sintomas causados são leves e podem se parecer com aqueles causados por outras doenças. Podem ocorrer  manchas na pele, coceiras, febre por volta dos 38 graus, dores de cabeça, musculares e nas juntas. Em alguns casos os pacientes apresentam vermelhidão nos olhos e fotofobia. A doença é autolimitada e em geral os sintomas duram até 7 dias. Não existe vacina contra esta doença e a única forma de prevenção é o combate aos focos do mosquito Aedes.

Não há medicação específica para o Zika vírus. Como em algumas outras viroses, o tratamento foca no alívio dos sintomas com analgésicos, anti inflamatórios não esteróides e antitérmicos que não contenham ácido acetilsalicílico. O paciente deve ser mantido sob hidratação e procurar um médico assim que os primeiros sintomas surgirem.

O vírus Zika pode ser identificado em laboratório pela técnica de Biologia Molecular de RT-PCR em pacientes com o quadro agudo da doença e por sorologia em pacientes cuja febre regrediu através da detecção de anticorpos específicos IgM. Reações sorológicas cruzadas com outros flavivírus (como o causador da dengue) já foram relatadas.