Calprotectina Fecal – Marcador não invasivo das doenças inflamatórias intestinais

02.07.2014

As Doenças Inflamatórias Intestinais (DII) compreendem um grupo específico de doenças, tendo como principais a Doença de Crohn (DC), a Colite Ulcerativa (CU) e a Colite Indeterminada (CI). Estas doenças podem ser provenientes de respostas exacerbadas, inatas ou adquiridas, em indivíduos geneticamente predispostos a determinados microrganismos comensais. Atualmente a incidência destas doenças vem crescendo em todo o mundo, por influencia da origem étnica, do estilo de vida, de certas áreas geográficas e pela presença de regiões suscetíveis em pelo menos 12 cromossomos.

A diferenciação entre DII e Doenças Intestinais Funcionais (DIF), como a Síndrome do Intestino Irritável (SII), pode ser complexa, já que apresentam sintomatologia bastante semelhantes, incluindo diarréia, dor e distensão abdominal. Em muitos casos há necessidade de aplicação de métodos mais invasivos, como a colonoscopia com biópsia e exame histopatológico. Apesar da distinção entre DC e CU ser normalmente clara, cerca de 10% a 20% dos casos podem ser classificados como colite indeterminada (CI).

A utilização de métodos menos invasivos vem ganhando maior atenção nos últimos anos. Os biomarcadores para DII, incluindo os sorológicos, os fecais e os de predisposição genética (polimorfismos), têm se tornado ferramentas úteis no auxílio diagnóstico (principalmente de exclusão), na determinação da atividade, no acompanhamento terapêutico e no prognóstico da doença. Dentre os diversos marcadores que já foram propostos para esta finalidade, são destacados os realizados em amostras de fezes, já que estão mais diretamente ligados à atividade intestinal e também porque são totalmente não invasivos. Dentre estes, a Lactoferrina e a Calprotectina são os mais utilizados.

A Calprotectina é uma proteína de 36 kDa ligada ao cálcio e ao zinco abundantes no citoplasma dos neutrófilos e, em menor quantidade, também nos monócitos e macrófagos reativos. As funções conhecidas da Calprotectina estão associadas aos processos de defesa através da ação do zinco (atividade antibacteriana e antifúngica). A Calprotectina pode ser detectada em praticamente todos os líquidos biológicos e a sua concentração está diretamente correlacionada ao grau de inflamação na amostra. Em amostras de fezes, a Calprotectina se apresenta como um bom marcador biológico por permanecer estável por até sete dias à temperatura ambiente, se conservando resistente à ação bacteriana, e também por se apresentar uniformemente distribuída na amostra.

Na inflamação intestinal, a barreira da mucosa intestinal é quebrada e ocorre a migração de leucócitos para o lúmen intestinal, levando à elevação da concentração de Calprotectina nas fezes, que se correlaciona diretamente com a quantidade de granulócitos e outras células de defesa no intestino. Por este motivo, as concentrações de Calprotectina se encontram elevadas em DII e também, em menor proporção, em outras situações, neoplasias e pólipos. Os níveis de Calprotectina nas fezes são cerca de 6 vezes maiores do que os encontrados no sangue, o que a torna um bom marcador de inflamação intestinal.

Autores indicam que a Calprotectina pode ser utilizada para a discriminação entre os pacientes que necessitam de estudos mais invasivos como a colonoscopia e que, quando utilizado um ponto de corte de 50 µg/g nas fezes, a colonoscopia pode deixar de ser feita em até 50% dos pacientes, indo até 67% dos pacientes, quando utilizado o ponto de corte de 100 µg/g nas fezes. Como marcador de atividade de doença, estudos comparando a dosagem de Calprotectina fecal com colonoscopia e resultado das biópsias, a classificam como o melhor biomarcador.

Em relação à resposta terapêutica e também ao prognóstico (probabilidade de relapso), a maioria dos estudos aponta a Calprotectina e a Lactoferrina fecais como os melhores marcadores biológicos para esta finalidade. Alguns autores, estudando pacientes com DII e comparando a dosagem de Calprotecitna fecal, VHS e PCR, concluíram que ela estaria fortemente associada à inflamação colorretal, indicando doença orgânica, e que poderia ser utilizado como avaliação de resposta terapêutica, rastreamento de pacientes assintomáticos e predição de relapso de DII.

Por ser um método não invasivo, a utilização deste parâmetro vem crescendo nos últimos anos e a sua adaptação a equipamentos totalmente automatizados a tornam um método mais simples e preciso, que tende a ganhar cada vez mais espaço como ferramenta ao apoio diagnóstico.

Para a dosagem de calprotectina fecal é necessário enviar uma amostra recente de fezes colhida em frasco sem conservantes, que disponível para ser retirado em qualquer unidade do Laboratório Richet; A Dosagem de Calprotectina Fecal é realizada por metodologia automatizada ELiA e o resultado é disponibilizado em até 7 dias.

 

 

 

  1. Braunwald. Eugene. et al. Harrison Manual de Medicina. 15ºed. McGraw-Hill, 2002.
  2. Cury DB, Moss AC. Doenças Inflamatórias Intestinais – Retocolite Ulcerativa e Doença de Crohn. Rio Janeiro: Rubio 2011.
  3.  Erbayak M, Turkay C, Eraslan E, Cetynkaia H, Kasapoglu B, Bektas M. The role of Calprotectin in investigating Inflammatory Bowel Disease. Clinics, 2009;64(5):421-5.
  4. Hanauer SB, Sandborn W; Practice Parameters Committee of the American College of Gastroenterology. Management of Crohn’s disease in adults. Am J Gastroenterol 2001; 96:635-43.
  5. Komraus M, Wos H, Wiecek S, Kajor M, Grzybowska-Chlebowczyk U. Usefulness of Faecal Calprotectin Measurements in Children with various types of Inflammatory Bowel Disease. Hindawi Plublishing Corporate, Mediador of Inflammation, 2012.
  6. Montalto M, Gallo A, Santoro L, D’Onofrio F, Landolfi R and Gasbarrini A. Role of fecal calprotectin in gastrointestinal disorders. Eur Rev Med Pharm Science. 2013;17:1569-1582.
  7. Roseth AG, Aadland E, Grzyb K. Normalization of faecal calprotectin: a predictor of mucosal healing in patients with inflammatory bowel disease. Scand J Gastroenterol. 2004;39:1017-20.
  8. Smith LA, Gaya DR. Utility of Faecal Calprotectin analysis in adult Inflammatory Bowel Disease. World Gastroenterol, 2012;18(46):6782-89.
  9. Sociedade Brasileira de Coloproctologia; Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva; Sociedade Brasileira de Patologia; Colégio Brasileiro de Radiologia.Diretrizes em foco - Doença de Crohn intestinal: manejo. Rev Assoc Med Bras 2011; 57(1):10-13.
  10. Tibble JA, Sigthorsson G, Bridger S, et al. Surrogate markers of intestinal inflammation are predictive of relapse in patients with inflammatory bowel disease. Gastroenterology. 2000;119:15-22.
  11. Turkay C, Kasapoglu B. Review – Noninvasive Methods for Inflammatory Bowel Disease: Where Do we Stand Now? An Update?. Clinics 2010;65(2):221-31.
  1. Zafirova T, Linnarson B-T, Thuden I. Evaluation of New Method for Calprotectin in Feces with Phadia 250. Spring Meeting 2012 of the Swedish  

Baixe o artigo aqui