Os métodos diagnósticos do Câncer de Mama

13.06.2019

O câncer de mama continua sendo um problema de saúde pública mundial e no Brasil pelo menos 49 mil casos são diagnosticados anualmente, segundo estimativas do INCA.

A médica Marcela Balaro, radiologista e coordenadora do Núcleo de Mama do Richet Medicina e Diagnóstico, fala um pouco sobre os métodos diagnósticos para o câncer de mama.

 

  • Dra. Marcela, quais são os métodos que existem e as suas indicações para o câncer de mama?

Quatro tipos de exames estão disponíveis para o diagnóstico: MamografiaTomossíntese MamáriaUltrassonografia Mamária e Ressonância Nuclear Magnética (conhecida popularmente apenas como Ressonância Magnética ou RM) da mama.

O exame ideal para o rastreamento da doença ainda é a Mamografia; atualmente a Mamografia Digital. Esse método é o melhor para o diagnóstico precoce em pacientes sem sintomas.

Os outros exames entram como métodos complementares a um primeiro exame.

ultrassonografia ajuda muito no caso de pacientes jovens e a ressonância magnética para as mulheres de alto risco.

Tomossíntese Mamária aparece como um novo método que veio para melhorar o diagnóstico. Este exame utiliza o mesmo aparelho da mamografia. Alguns trabalhos científicos já mostram a superioridade desse método e Sociedades de Especialidades Médicas já recomendam a tomossíntese no lugar da mamografia.

 

  • E no caso da paciente que tem uma prótese mamária? Qual o melhor exame para ela?

O exame indicado ainda é a mamografia digital, e não existe contraindicação alguma para se fazer uma mamografia em pacientes com prótese mamária. O exame pode ser complementado para avaliar o tecido mamário.

A ultrassonografia é um método que também auxilia a avaliação de pacientes com prótese mamária. Porém, no caso de necessidade do estudo do implante (prótese) a ressonância nuclear magnética é o exame de escolha.

A densidade mamária é uma limitação da mamografia. Por conta disso, com a tomossíntese pode mostrar uma melhor avaliação da mama, já que este exame faz uma avaliação tridimensional da mama.

Nas pacientes jovens e com mamas densas a tomossíntese é a melhor opção.

Veja também:

 

  • Uma informação importante é sobre a quantidade de radiação que a paciente recebe durante o exame. É seguro?

Todos os métodos são seguros nesse sentido. Entretanto, a tomossíntese é o exame que permite o diagnóstico com menor necessidade de outras incidências, ou seja, outras radiografias.

As mulheres jovens, que estão preocupadas com a radiação usada nos exames, podem ser submetidas à ultrassonografia mamária, exame que não usa radiação.

Um ponto importante a se lembrar é que a quantidade de radiação recebida, ao se fazer um exame, deve ser analisada em termos de radiação acumulada ao longo do tempo e principalmente com relação à frequência. Se uma mulher se submeter a uma mamografia anual, após os 40 anos (recomendação no Brasil da Sociedade de Mastologia), ela não irá receber uma dose de radiação que possa comprometer sua saúde.

Ouça nosso podcast no Spotify

 

Ou ouça aqui no nosso player

Autor

Dra. Marcela Balaro

Coordenadora de Imagem Mamária      CRM 52.71136-5

Médica formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com Residência Médica em Radiologia no Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Co Autor

Dr. Luis Fernando Correia

M.D. Comentarista de Saúde      CRM 52.50238-4

Médico, Clínico Geral e Intensivista. Comentarista de Saúde Rádio CBN, Rede Globo de TV, GloboNews