Rapidez e eficiência na detecção das disfunções plaquetárias

27.04.2015

As plaquetas sanguíneas têm um papel fundamental na hemostasia e no desenvolvimento da trombose arterial. O teste da função plaquetária é utilizado na análise das desordens herdadas ou adquiridas, na análise em anestesias e unidades de terapia intensiva e no monitoramento de antagonistas da função plaquetária.

O Laboratório Richet utiliza equipamento automatizado capaz de determinar a função plaquetária em pequenas quantidades de sangue total através de uma metodologia altamente padronizada. O equipamento consiste em um analisador de 5 canais cuja sensibilidade de suas funções permite o diagnóstico de doenças como Trombastenia de Glanzmann, Síndrome de Bernard Soulier, defeitos do receptor de ADP e doença de von Willebrand, além da resposta de agregação às drogas antiagregantes como aspirina e clopidroguel.

 

Deteção de desordens plaquetárias

  • A disfunção plaquetária pode induzir a tendência de sangramento (transitória ou permanente)
  • O método detecta disfunções plaquetárias e determina a agregação induzida pela heparina
  • O equipamento detecta  doenças como Trombastenia de Glanzmann, Síndrome de Bernard Soulier, Doença de von Willebrand, defeitos do receptor de ADP além de outras doenças plaquetárias associadas a sintomas clínicos relevantes.

 

Terapia antiplaquetária customizada

  • Aproximadamente um quinto dos pacientes responde de forma inadequada ao clopidogrel
  • O risco de complicações isquêmicas é de cinco a dez vezes maior naqueles pacientes que respondem mal ao clopidogrel
  • Drogas mais potentes são mais consistentes em ação, porém aumentam o sangramento e custam até 15 vezes mais do que o clopidogrel genérico

 

Estratificação do risco de sangramento

  • O método auxilia no controle hemostático e sangramento do paciente após cirurgia, contribuindo para um melhor prognóstico da doença

 

Resultados consistentes

  • Testes padronizados para pequenos volumes de amostra de sangue total
  • Alta sensibilidade
  • Velocidade de execução e acurácia nos resultados
  • Tempo de execução de 10 minutos por teste

 

Os cuidados com o paciente de alto risco para trombose arterial – como, por exemplo, naqueles após reposição de stent ou na síndrome coronariana aguda – consistem um grande desafio para o clínico. Nestes casos, é imprescindível determinar a inibição plaquetária adequada.


Análises com o equipamento Multiplateâ  estabeleceram que em cerca de 20% dos pacientes não respondem adequadamente ao clopidogrel após intervenção coronária percutânea (PCI). Aqueles pacientes que respondem mal ao clopidogrel apresentaram de cinco a dez vezes mais o risco de complicações isquêmicas. O risco de sangramentos, inversamente, é 2.6 vezes maior nos pacientes que respondem bem ao clopidogrel.

A função plaquetária tem um papel fundamental na hemostasia durante as cirurgias e no pós trauma, onde disfunções podem levar a complicações que requerem transfusões sanguíneas e novas cirurgias exploratórias.

A habilidade de detectar estas disfunções antes, durante e após os procedimentos cirúrgicos ajuda nos processos de hemostasia e cura do paciente, reduzindo tempo de hospitalização, exposição a hemoderivados e, consequentemente, nos gastos hospitalares.

As disfunções plaquetárias ativadas por drogas, doenças e fatores genéticos podem levar a uma tendência transitória ou permanente de sangramento, fazendo com que a detecção laboratorial se torne imprescindível para a condução terapêutica e manejo clínico dos pacientes.

Além disso, a utilização do equipamento Multiplateâ apresenta melhor performance na detecção doença de von Willebrand quando comparada à metodologia de  agregometria ótica. Também se aplica a determinação funcional de trombocitopenia induzida pela heparina em amostras de sangue total. Uma outra vantagem da metodologia é o fato de utilizar sangue total, não havendo a necessidade de manuseio das plaquetas, que é responsável pela variabiliade de resultados obtidos através da metodologia tradicional por transmitância de luz (LTA). Com a utilização do Multiplateâ, os resultados obtidos são precisos e menos sujeitos aos efeitos pré-analíticos da ativação plaquetária.

Bibliografia Recomendada:

Chandles, W.L. Platelet Funtion Assay – Not all are created equal. Clin Chem 2014, 60: 1469-70.

Karon BS, Tolan NV, Koch CD, Wockenfus AM, Miller RS, Lingineni RK, et al. Precision and reliability of 5 platelet function tests in healthy volunteers and donors on daily antiplatelet agent therapy. Clin Chem 2014; 60: 1524-31.

Pakala R, Waksman R. Currently available methods for platelet function analysis: advantages and disadvantages. Cardiovasc Revasc Med 2011; 12: 312-22.

Baixe o artigo aqui