Teste proPSA e índice PHI

01.02.2016

O câncer de próstata é uma das principais causas de mortalidade masculina. O antígeno prostático específico (PSA) presente no soro é um marcador amplamente utilizado na detecção precoce do câncer de próstata, contudo sua especificidade é limitada, sendo a biópsia positiva apenas em 25% dos pacientes com concentrações séricas de PSA entre 2 e 10 ng/ml.

Para situações em que o paciente apresente resultado de PSA elevado (dentro dos valores de risco) e biópsia negativa é recomendado que seja realizada a repetição do procedimento de acordo com a Associação Europeia de Urologia. Entre 10 e 35% dos pacientes com câncer de próstata apresentam uma primeira biópsia negativa, sendo detectada a patologia em uma segunda biópsia.

O PSA sérico é principalmente representado em forma livre, sem formar complexos (fPSA) ou formando complexos (cPSA) junto ao inibidor da serina-protease, alfa-1-antiquimiotripsina. Geralmente são encontrados em soro 70% a 90% de PSA na forma de cPSA, sendo o restante fPSA. A determinação em soro da relação entre fPSA e PSA (%fPSA) tem demonstrado melhora significativa na discriminação dos casos de câncer de próstata em comparação com as outras condições prostáticas benignas, especialmente em pacientes com níveis de PSA entre 4 e 10 ng/ml.

Índices relativos de %fPSA inferiores a 10% são frequentemente associados à presença de câncer de próstata, enquanto valores superiores estão relacionados com um baixo risco.

O termo proPSA é referente a uma série de precursores inativos de PSA secretados pelas células prostáticas. É possível detectar três formas truncadas de proPSA em soro, sendo elas: [−2], a mais sensível, [−4] e [−5,−7], sendo esta última a forma mais estável.

Vários estudos sugerem a utilidade clínica de proPSA em triagem de câncer de próstata por meio da determinação da soma acumulada de todas as formas truncadas, contudo estas provas não têm se demonstrado tão úteis como a medição de [−2]proPSA, que foi a principal forma encontrada em extratos de tumores e imunumarcação.

O valor de [−2]proPSA é significativamente mais elevado em tumores de próstata em comparação com tecidos benignos.

Teste ProPSA

O teste proPSA consiste em um ensaio de quimiluminescência com partículas paramagnéticas que determina o valor de [−2]proPSA, juntamente com as concentrações de PSA e fPSA, para calcular o índice de saúde prostático (PHI), um índice multivariável, desenhado para facilitar a determinação de risco de câncer de próstata utilizando soro humano.

Estudos distintos mostram que a sensibilidade do PHI para a detecção do câncer de próstata é de 90%, com especificidade de 31,6% (intervalo de confiança (IC) 95% 29,2 a 34).

A medição do PHI aumenta a precisão da detecção de câncer de próstata em comparação com o PSA ou o PSA livre, particularmente no grupo de pacientes com resultado de PSA entre 2 e 10 ng/ml.

Indicações

O PHI é utilizado como ferramenta para diferenciar os pacientes com alto risco de câncer de próstata daqueles que apresentam condições prostáticas benignas nas seguintes situações: homens a partir de 50 anos de idade com valores de PSA total entre 2 e 10 ng/ml e que não apresentem indícios de câncer em tato retal.

Resultados 

O laudo possibilita três tipos de resultados:

- Baixo risco: valores de PHI entre 0 e 20,9

- Médio risco: valores de PHI entre 21 e 39,9

- Alto risco: valor de PHI superior a 40

Baixe para impressão aqui